MAIN
Home
Arquivos
BACKGROUND
Teachings
FAQ
FAQ
FAQ
FAQ
FAQ
FAQ

 

FAQ
FAQ
MAIS RECURSOS
Magazine
 
 

 
 Início >> Arquivos>>A História do Evangelho e o Caminho da Iniciação

Share International HomeShare International HomeBackground information

A História do Evangelho
e o Caminho da Iniciação
por Benjamin Creme

As cincos iniciações que todos irão tomar são simbolicamente demonstradas na Bíblia.

A jornada evolucionária na qual nós estamos engajados é marcada por cinco grandes pontos de crise, grandes expansões de consciência, os cinco passos para Libertação e Maestria. Estas são as cinco iniciações planetárias, que nos libertam de mais experiências de encarnação nesta Terra. Todos os Mestres tomaram estas cinco iniciações (alguns tomaram mais, iniciações mais elevadas), e Suas presenças neste mundo é o resultado de uma decisão consciente em servir o Plano de Evolução e não de nenhuma necessidade, através do karma pessoal, para encarnar.

O processo esotérico que nós chamamos iniciação é um processo artificial forçado introduzido em nosso planeta na metade dos tempos Atlantes para acelerar o processo evolucionário. Sem ele nós inevitavelmente chegaríamos no mesmo ponto de desenvolvimento que nós evidenciamos hoje, mas iria levar milhões de anos mais para o fazermos.

Naqueles dias distantes, uma crise ocorreu em outra parte deste sistema solar que necessitou da presença de alguns dos mais avançados membros da Hierarquia de nosso próprio planeta, Que naquele tempo eram de Vênus. O processo de iniciação foi introduzido, portanto, para permitir aos mais avançados membros da evolução da Terra passarem por este processo forçado, e então equipá-los para tomarem os postos mais baixos na Hierarquia, assim liberando os Mestres Mais Elevados para outro trabalho.

A iniciação mais alta possível para um homem da Terra naquele tempo era a terceira iniciação, e entre o primeiro grupo a alcançar esta realização estavam o Cristo e o Buda, Que permaneceram a frente de nossa evolução até estes dias.

Simbólico

Vista do ponto de vista esotérico, a história do evangelho é realmente a história da iniciação, uma história apresentada para a humanidade continuamente, de formas diferentes, bem antes do Cristianismo. O relato da vida de Jesus é a apresentação simbólica, dramaticamente re-encenada para nós, da jornada iniciada para a Perfeição.

A primeira iniciação é chamada de Nascimento do Cristo e é simbolizada pelo nascimento do Discípulo Jesus em Belém Quando a energia evolucionária que nós chamamos de Princípio ou Consciência Crística é despertada no coração humano (o centro do coração espiritual no lado direito do peito), o homem ou mulher se torna pronto para preparação para tomar a primeira iniciação.

É importante perceber que a pessoa já é uma iniciada, antes que ele ou ela se coloque diante do Iniciador. A alma humana, o primeiro mestre, traz o seu veículo ao ponto de iniciação através de sua experiência de vida e meditação. Então o Mestre (da Hierarquia) dá um passo à frente, e por uma combinação de estímulo, testes e oportunidade de serviço apresentada, prepara o candidato para vir diante do Hierofante para receber o impacto da energia do Cetro da Iniciação que Ele maneja. O Cristo, Maitreya, é o Hierofante na primeira e segunda iniciações, a terceira e iniciações mais elevadas sendo tomadas diante do Senhor do Mundo, Sanat Kumara, em Shamballa. "Eu sou o Caminho". "Nenhum homem pode conhecer o Pai a não ser através de mim." Estas citações do Cristo são esotericamente verdade, mas elas foram interpretadas pelas igrejas, bem erradamente, para dizer que o Cristianismo (ou, mais corretamente, o Igrejismo) é o único caminho religioso; que apenas se um homem aceitar os (criados pelo homem) dogmas e doutrinas da Igreja Cristã ele pode conhecer Deus. O Cristo encarna o Princípio Crístico neste planeta. Esta é uma energia que flui Dele para nós. É através da manifestação deste Princípio que nós nos re-orientamos e entramos no Caminho Iniciatório. Neste sentido, Ele é de fato "o Caminho". Semelhantemente, apenas quando alguém esteve permanecido diante do Cristo nas primeiras duas iniciações a pessoa pode tornar acessível o contato com a Monada, o Espírito, o "Pai no Céu", que leva à terceira iniciação diante de Sanat Kumara, o Senhor do Mundo.

Os grupos de Cristãos "renascidos" têm uma idéia vaga da verdade, na de que a primeira iniciação é o "segundo nascimento" da Bíblia; mas, é lógico, esta é uma experiência partilhada por milhões hoje através do mundo, e não exclusivamente por Cristãos "renascidos".

A primeira iniciação demonstra o controle sobre o corpo físico, em particular sobre as pequeninas vidas dévicas (ou elementais) que compõem o corpo físico do homem. A segunda iniciação demonstra controle sobre o corpo emocional astral ou as vidas elementais que compõem este veículo. Esta é chamada a Iniciação do Batismo e é simbolizada para nós pelo Batismo de Jesus no Jordão.

A terceira-- a primeira verdadeira iniciação da alma-- é chamada de Transfiguração, e é simbolizada pela Transfiguração de Jesus no Monte. Ela demonstra o controle sobre o elemental e corpo mental e traz à diante o contato Monádico ou com o espírito e a sua energia pela primeira vez: "A Jóia do Lótus no coração do Lótus".

Jesus entrou no mundo em Belém como um iniciado de terceiro grau e então simplesmente simbolizou estes três estágios de crescimento para nós. Ele tinha que passar pela quarta iniciação e o fez de maneira totalmente física para dramatizar, simbolicamente, para o nosso bem, a experiência da Renúncia. No Ocidente esta iniciação é conhecida como a Crucificação; no Oriente ela é chamada de a Grande Renúncia, quando tudo é renunciado-- posição, família, até a própria vida se necessário-- pela vida espiritual mais elevada.

Ressurreição

Então se segue (e este é o cerne da história do evangelho Cristão) a quinta iniciação, a Ressurreição, simbolizada pela ressurreição do corpo de Jesus depois da Crucificação. Cada iniciação atrai aos corpos do iniciado matéria de partículas sub-atômicas-- literalmente, luz. Pela quarta iniciação os corpos do iniciado são três-quartos sub-atômicos ou luz. Este processo é completado na quinta ou Iniciação da Ressurreição, quando o iniciado está livre da atração da matéria para sempre, um Mestre perfeito. O objetivo evolucionário foi alcançado e o Mestre terminou sua experiência de vida neste planeta. Sua escolha de permanecer ou não nesta Terra e então servir ao Plano de nosso Logos Planetário é apenas Dele.

Existem iniciações mais altas que chamam os Mestres para outros esforços. A Ascensão, simbolizada pela ascensão do Cristo depois de Sua aparição diante dos discípulos no corpo ressuscitado de Jesus, marca a sexta experiência iniciatória e confere Consciência Cósmica e total imortalidade ao corpo do Mestre Ascenso.

Vista desta forma, a história do evangelho mantém diante da humanidade a promessa da Divindade, a Divindade percebida não apenas por um extraordinário homem, o "Filho de Deus", mas uma Divindade alcançável por todos que fazem os esforços necessários para expandir suas consciências para incluir os níveis espirituais; uma Divindade alcançada, também, por um processo cientifico, do qual o Cristo e os Mestre são os guardiões, o processo de Iniciação. (Abril de 1982)

 

 

 


HomeCopa

  | INÍCIO | | ARQUIVOS |